Rede Cidade Digital, O que é Cidade Digital? Como funciona uma Cidade Digital? Como implementar Cidades Digitais? Lista das Cidades Digitais, Mapa das Cidades Digitais, Benefícios de uma Cidade Digital, Programa de Cidades Digitais do Governo Federal

Rede Cidade Digital - Passo Fundo (RS) inova ao implantar projeto pioneiro na área de educação e tecnologia
Passo Fundo (RS) inova ao implantar projeto pioneiro na área de educação e tecnologia

Por Ana Carolina Maoski em 24/03/2016 12:35h

Passo Fundo (RS) inova ao implantar projeto pioneiro na área de educação e tecnologia

Com diversos prêmios no país, “Escola de Hackers” foi apresentada a gestores no I Fórum de Cidades Digitais do Alto Jacuí, realizado em Tapera

Projeto atende cerca de 300 alunos no contraturno
escolar

Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, é exemplo de pioneirismo na educação digital. Localizada no interior do Estado, a cerca de 300 km de Porto Alegre (RS), e com quase 200 mil habitantes, a cidade implantou em 2014 a primeira escola de programação no ensino público do país.

De acordo com o secretário de Educação de Passo Fundo, e também doutor na área de tecnologia educacional, Edemilson Brandão, o projeto Escola de Hackers começou a ser pensado há mais de 10 anos e foi viabilizado em parceria com a Universidade de Passo Fundo e outras instituições de ensino superior, que designam professores e acadêmicos responsáveis por conduzir as oficinas do projeto.

Ele apresentou a iniciativa a gestores durante o I Fórum de Cidades Digitais do Alto Jacuí, realizado recentemente em Tapera (RS), pela Rede Cidade Digital em parceria com a Prefeitura Municipal. O secretário conta que cerca de 300 alunos dos anos finais do ensino fundamental são atendidos no projeto, no contraturno escolar, em turmas divididas em três modalidades e separadas por faixa etária. Normalmente, os estudantes são indicados pelas diferentes escolas do município e, divididos em turmas, participam de oficinas semanais para desenvolvimento de programas com a linguagem Scratch.

A Escola também criou no ano passado outras duas modalidades para abranger crianças da educação infantil, dos cinco aos seis anos de idade, com o berçário de hackers e a escola avançada de hackers, concentrando turmas com os alunos que tiveram maior destaque no ano anterior e que passam, então, a trabalhar com a programação de computadores e desenvolvem noções de robótica.

Avanços na era da inclusão digital - Brandão explica que o processo de inclusão digital se divide em três fases, desde o acesso a ferramentas tecnológicas, desenvolvimento de competências do usuário voltadas para o mercado de trabalho até a autonomia do usuário, tornando as pessoas autoras do que é produzido em rede. Segundo o secretário, a Escola de Hackers se encaixa nesta terceira perspectiva, onde o conteúdo das aulas permite o desenvolvimento do raciocínio lógico e possibilita que os alunos “programem ao invés de serem programados”.

Além de estimular a autonomia dos estudantes em relação às tecnologias, o projeto também cumpre uma função importante, na opinião dele, ao esclarecer o papel do hacker e eliminar o preconceito que o termo carrega na sociedade. “Um dos nossos objetivos é desassociar a imagem negativa ligada ao hacker. Diferente do que se acredita, o hacker é na verdade uma pessoa que se aprofunda e domina uma determinada linguagem de programação e possui autonomia de criação, produzindo tecnologias que possibilitam melhorias na sociedade. O indivíduo que invade sites e comete crimes na internet é o cracker”, distingue o secretário.

Reconhecimento - No ano passado o projeto recebeu diferentes premiações, entre eles o reconhecimento como referência educacional no Rio Grande do Sul pelo Prêmio Líderes & Vencedores, promovido pela Federasul em parceria com a Assembleia Legislativa do Estado. Divulgar o projeto e estimular sua expansão é uma das metas da Escola de Hackers. De acordo com o secretário de Educação, a equipe responsável pela Escola constantemente publica pesquisas com essa temática e apresenta o projeto em congressos e fóruns visando chamar a atenção para a importância e a urgência do desenvolvimento de iniciativas como essa, que valorizam a autonomia do usuário de tecnologias. Para o futuro, a Prefeitura de Passo Fundo pretende criar uma turma da Escola de Hackers voltada para a terceira idade.

Fórum - O I Fórum de Cidades Digitais do Alto Jacuí, realizado em Tapera, no dia 17 de março, foi organizado pela Rede Cidade Digital em parceria com a Prefeitura Municipal, e reuniu prefeitos, gestores e empresários locais para debater o uso da tecnologia na melhora do serviço público. O evento teve o patrocínio ouro da Vogel Telecom e da Ávato, patrocínio bronze da Exati Tecnologia e apoio da Associação dos Municípios do Alto Jacuí (AMAJA) e do Consórcio de Desenvolvimento Intermunicipal dos Municípios do Alto Jacuí (COMAJA), além do Apoio Estratégico da BKR Sistemas.