Rede Cidade Digital, O que é Cidade Digital? Como funciona uma Cidade Digital? Como implementar Cidades Digitais? Lista das Cidades Digitais, Mapa das Cidades Digitais, Benefícios de uma Cidade Digital, Programa de Cidades Digitais do Governo Federal

Rede Cidade Digital - Brasil ainda tem 32,8 milhões de domicílios desconectados
Brasil ainda tem 32,8 milhões de domicílios desconectados

21/09/2016 10:42h

Brasil ainda tem 32,8 milhões de domicílios desconectados

63% da população da área urbana é usuária de Internet, quase o dobro dos 34% da área rural

A expansão da banda larga no Brasil ainda é um tema urgente, principalmente, para conectar os mais pobres do País. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2015, existem no País 32,8 milhões de domicílios desconectados, a maioria deles (aproximadamente 30 milhões) das classes C e D/E. Apesar de o Sudeste ter a mais alta penetração de banda larga, a grande parte de domicílios desconectados (11,7 milhões) está na região, devido à alta densidade demográfica.

Para o gerente do Cetic.br, Alexandre Barbosa, além dos preços, considerados caros, em muitas áreas, principalmente, do Norte e Nordeste a disponibilidade de acesso é restrita e faltam empresas para ofertar o serviço. “Precisamos ter políticas públicas que reduzam o preço de acesso à Internet para classes mais baixas”, destacou durante coletiva de imprensa, nesta terça-feira (13/09) para divulgação da pesquisa.

Olhando pelo lado de indivíduos conectados, a pesquisa mostrou que a quantidade de brasileiros usuários de Internet chegou a 102 milhões em 2015 (58% da população com mais de dez anos), acima dos 94,2 milhões de 2014 (55% da população). Contudo, as desigualdades socioeconômicas imperam. Entre os mais ricos, 95% da população da classe A e 82% da classe B eram usuários, bem acima dos 28% da classe D/E e 57% da classe C. No entanto, apesar da diferença, o porcentual dos usuários mais pobres vem crescendo. Em 2013, eles representavam 17% da classe D/E e 49% da B.

Com relação às zonas, 63% da população da área urbana é usuária de Internet, quase o dobro dos 34% da área rural. A Cetic.br considera usuário de Internet aqueles que acessaram à rede alguma vez nos três meses anteriores ao questionário.

A casa de outra pessoa (como amigo, vizinho ou familiar) passou o trabalho como local de acesso individual à Internet. Em 2015, 56% afirmaram usar a Internet em casa de outrem, acima dos 30% de 2014 e à frente dos 38% do trabalho, que obteve porcentual de 33% no ano anterior. A moradia permanece com a preferência de 90% dos usuários.

Falando especificamente do papel dos provedores de Internet, Barbosa ressaltou que, apesar de existirem mais de 2 mil ISPs ativos, perto de 85% das conexões estão nas mãos das maiores empresas, dos grandes grupos. Em seu último balanço, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em julho, havia 26,3 milhões de acessos de banda larga fixa no Brasil, concentrados em três grandes operadoras: America Móvil (Net, Claro e Embratel) com 31,66% do mercado, Telefonica com 28,33% e Oi com 24,33%.

“Os ISPs cumprem papel importante, pois muitas vezes são a única forma de acesso. Mas são necessárias políticas que fomentem a sustentabilidade dos ISPs no longo prazo para mudar a concentração de mercado”, afirmou. Ele destacou também a urgência de se discutir a regulação do mercado e as questões tributárias, pois o porcentual seria muito alto.

A pesquisa TIC Domicílios tem por objetivo geral medir o acesso e os usos da população em relação às tecnologias de informação e comunicação. Com abrangência nacional, a pesquisa fez, entre novembro de 2015 e junho de 2016, 23.465 entrevistas em 350 municípios brasileiros. As entrevistas domiciliares foram realizadas presencialmente usando questionário estruturado, aplicado por meio de tablets.

Via Abranet