Rede Cidade Digital, O que é Cidade Digital? Como funciona uma Cidade Digital? Como implementar Cidades Digitais? Lista das Cidades Digitais, Mapa das Cidades Digitais, Benefícios de uma Cidade Digital, Programa de Cidades Digitais do Governo Federal

Rede Cidade Digital - Internet das Coisas antecipa o futuro e país já tem 20 milhões de conexões entre máquinas
Internet das Coisas antecipa o futuro e país já tem 20 milhões de conexões entre máquinas

20/02/2017 14:52h

Internet das Coisas antecipa o futuro e país já tem 20 milhões de conexões entre máquinas

Segundo a Anatel, o número de conexões entre máquinas deve chegar a 42 milhões em 2020

Antes de chegar em casa, você aciona o ar condicionado para afastar o calor de um dia quente de verão. Um movimento na rua acende as luzes do seu quintal. A geladeira emite alertas sobre a temperatura interna e até avisa quando os alimentos estão fora da data de validade. No smartphone, aplicativos medem o batimento cardíaco e a pressão arterial, e os dados são compartilhados automaticamente com seu médico. O que parecia futuro já é realidade graças à Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), uma rede de objetos que se comunicam e interagem de forma autônoma, via internet. Assim, é possível monitorar e gerenciar dispositivos por meio de um software para aumentar a eficiência de sistemas e processos, habilitar novos serviços e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

"A Internet das Coisas já é uma realidade. A cada dia, mais coisas se conectam à internet para informar sua situação, receber instruções e até mesmo praticar ações com base nas informações recebidas. Mais que a próxima evolução da tecnologia da informação, a Internet das Coisas redefine a maneira como interagimos com o mundo físico e viabiliza novas formas de produzir, fazer negócios, gerenciar infraestrutura pública, prover segurança e organizar a vida das pessoas", afirma o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab.

Para funcionar, a Internet das Coisas precisa de sensores, para compilar os dados de uma determinada atividade ou aplicação. O próximo passo é processar essas informações. Com os dados em mãos, o dispositivo sugere ações, atuando para mudar algo no ambiente de forma automatizada.

Mundo conectado - Em 2015, o pesquisador do Massachusetts Institute of Technology (MIT), Kevin Ashton, um dos primeiros a se debruçar sobre o tema, ofereceu uma interessante definição sobre IoT. "Estamos presenciando o momento em que duas redes distintas – a rede de comunicações humanas, exemplificada na internet, e o mundo real das coisas – precisam se encontrar. Um ponto de encontro onde não mais apenas ‘usaremos um computador', mas onde o ‘computador se use' independentemente, de modo a tornar a vida mais eficiente. Os objetos, as ‘coisas', estarão conectados entre si e em rede, de modo inteligente, e passarão a ‘sentir' o mundo ao redor e interagir", explicou Ashton em entrevista à revista eletrônica Inovação em Pauta, publicada pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Estimativas feitas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) apontam que há, no Brasil, cerca de 20 milhões de conexões máquina-máquina. A previsão é que o número salte para 42 milhões em 2020. No mundo todo, até 2025, o total de objetos conectados deve ficar entre 100 milhões e 200 milhões, de acordo com a consultoria Teleco.

Segundo o secretário de Políticas de Informática do MCTIC, Maximiliano Martinhão, o Brasil é um dos principais polos em IoT. Quarto maior mercado consumidor de equipamentos conectados do mundo, o país tem potencial para ampliar sua participação global, juntamente com o desenvolvimento de soluções para o mercado doméstico.

"Até 2025, cada cidadão brasileiro terá, em torno de si, sete equipamentos máquina-máquina – seja um relógio que está conectado, seja a televisão, seja o carro. O mercado brasileiro vai crescer muito, e desse crescimento vai surgir uma série de serviços e aplicações, que são uma oportunidade de desenvolvimento sócio-econômico para o país. Se nos prepararmos, as empresas brasileiras poderão atender o nosso mercado e o mercado internacional", destacou Martinhão.

Via MCTIC.