Rede Cidade Digital, O que é Cidade Digital? Como funciona uma Cidade Digital? Como implementar Cidades Digitais? Lista das Cidades Digitais, Mapa das Cidades Digitais, Benefícios de uma Cidade Digital, Programa de Cidades Digitais do Governo Federal

Rede Cidade Digital - Escolas e Brigada Militar utilizam aplicativo para comunicação de crimes no RS
Escolas e Brigada Militar utilizam aplicativo para comunicação de crimes no RS

14/06/2017 14:10h

Escolas e Brigada Militar utilizam aplicativo para comunicação de crimes no RS

Instituições criaram o grupo Escola Segura no Whatsapp para se comunicar com o esquadrão da BM que fica no bairro

Foto: Gabriel Haesbaert / NewCo DSM

Não é de hoje que professores e servidores de escolas, pais de alunos e estudantes convivem com os perigos que rondam o entorno das instituições de ensino, como furtos, roubos e tráfico de drogas. Pois, foi pensando nisso que, a partir de um modelo que surgiu entre o empresariado e a Brigada Militar (BM) no bairro Camobi, em Santa Maria, o 3º Esquadrão da BM, sediado no bairro, reuniu diretores das escolas das regiões Leste e Centro-Leste e criou um grupo de WhatsApp para tornar mais rápida a resposta aos chamados das instituições e levar mais segurança à comunidade escolar. Até o início de junho, o grupo Escola Segura Camobi tinha 48 integrantes de 22 escolas.

O comandante do 3º Esquadrão do 1º Regimento de Polícia Montada (1º RPMon) da BM, responsável pelo policiamento naquela região, capitão Alexandre Pires Lacerda, explica como funciona o grupo:

– Ao sentirem alguma periculosidade próximo à escola ou perceberem um ato suspeito, professores e diretores enviam informações, fotos ou imagens no grupo. A guarnição recebe e vai verificar. Com isso, temos conseguido dar uma resposta muito boa.

A iniciativa, que começou no final de abril, já teve resultados. Por duas vezes, a Escola Estadual Professora Margarida Lopes usou o aplicativo para acionar a BM. Segundo a direção, em cinco minutos a guarnição estava na porta da instituição. O vice-diretor, Valmir Beltrame, conta que, em um dos casos, um jovem estava intimidando um aluno do turno da noite. Temendo que algo mais grave, como uma briga ou agressão, pudesse acontecer, a diretoria mandou uma mensagem para a guarnição, que se deslocou até o local.

Suspeitos dispersados

Em outra oportunidade, a comunidade escolar percebeu uma movimentação que indicava tentativa de venda de drogas nos arredores da escola. Da mesma maneira, acionada, a guarnição atendeu ao chamado e dispersou os suspeitos.

– O grupo no Whats facilitou muito. Qualquer solicitação que fazemos, imediatamente eles estão na escola. Isso nos dá uma segurança para poder trabalhar. Na maioria das vezes, a simples presença da viatura já resolve – disse o vice-diretor Beltrame.

A diretora da Escola Municipal de Ensino Fundamental Júlio do Canto, Inês Negrini, também elogiou a iniciativa. A escola tem cerca de 350 alunos em três turnos, atende da Educação Infantil ao Ensino de Jovens e Adultos (EJA) e fica na Vila Soares do Canto, há poucas quadras do Beco do Beijo.

– Dia desses, suspeitamos que haveria um briga envolvendo mães de alunos, mandei uma mensagem e, em cinco minutos, estavam aqui. A Guarda Municipal também veio. Com certeza, nos sentimos mais seguros com o grupo – conta a diretora Inês.

A iniciativa também deve ser adotada nas regiões oeste e sul da cidade, segundo a BM.

Outras instituições de ensino devem se somar à iniciativa

Segundo o capitão Lacerda, a Brigada Militar (BM) enviou ofícios a todas as escolas das redes pública (estadual e municipal) e privada dos bairros que compõem as regiões Leste e Centro-Leste. Algumas escolas contatadas pelo Diário não sabiam da iniciativa, mas disseram que entrariam em contato com o esquadrão para se somarem ao grupo.

Moradores do Bairro São José que têm filhos em duas escolas que ficam nas proximidades de um terreno onde foi instalada uma academia ao ar livre se queixaram da concentração de usuários de drogas no local. O ponto de encontro está localizado junto à unidade de saúde da prefeitura e à sede do Batalhão Ambiental da BM.

Ambas as instituições de ensino apostam em equipamentos eletrônicos de segurança, e seus representantes disseram que não sabiam do grupo de WhatsApp. Uma delas, a Escola Municipal de Educação Infantil João Franciscatto, diz que conta com a ajuda da Guarda Municipal, que faz rondas no local.

Já a Escola Estadual de Ensino Médio Professora Naura Teixeira Pinheiro procurou a BM para integrar o grupo. A instituição tem em torno de 520 alunos das séries iniciais até Ensino Médio, em três turnos, e atende, além do São José, os bairros Diácono João Luiz Pozzobon, Pé-de-Plátano, Camobi e Km3.

Pedido de melhorias

A diretora, Jaqueline Severo, disse que, desde o ano passado, pede melhorias na iluminação pública e na sinalização em frente à escola, que segundo ela, é deficiente. A direção também solicitou mais policiamento à BM depois que um parente de um aluno foi assassinado em um minimercado do bairro no final de maio deste ano.

Via: Diário de Santa Maria