Rede Cidade Digital, O que é Cidade Digital? Como funciona uma Cidade Digital? Como implementar Cidades Digitais? Lista das Cidades Digitais, Mapa das Cidades Digitais, Benefícios de uma Cidade Digital, Programa de Cidades Digitais do Governo Federal

Rede Cidade Digital - BH em Pauta: Aplicativo auxilia supervisores de alimentação
BH em Pauta: Aplicativo auxilia supervisores de alimentação

05/09/2017 14:47h

BH em Pauta: Aplicativo auxilia supervisores de alimentação

Recurso possibilita agilizar a rotina de checagem de estoques presentes nas unidades

Quando Renata Cristina e Maria das Graças Pereira, cozinheiras da Unidade de Educação Infantil (Umei) Sagrada Família chegam ao trabalho, todo o insumo para a preparação das refeições já está lá, disponível para elas. A supervisora de Alimentação Cláudia Vidal garante a despensa sempre em dia com arroz, feijão, leite, biscoitos, carnes, frutas, ovos, verduras e legumes. 

Com cerca de 15 unidades para visitar semanalmente, a técnica conta com o celular e os aplicativos para realizar todo o trabalho de conferência das condições e controle dos gêneros alimentícios. “A checagem dos alimentos, validade, quantidade e acondicionamento, é apenas um dos roteiros que cumprimos. Então, a tecnologia ajuda bastante, porque aqui, pelo celular, eu já faço a conferência do estoque e identifico os itens que irão garantir a execução dos cardápios das próximas semanas”, conta.

O aliado de primeira hora de Cláudia e das demais supervisoras de alimentação é o aplicativo Sistema de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN. Desenvolvido em 2012, o recurso possibilita à equipe de Supervisão Alimentar, da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional agilizar a rotina de checagem de estoques presentes nas unidades.

Além da conferência dos gêneros alimentícios, a equipe de supervisão alimentar utiliza ainda outros sete roteiros de verificação, que são aplicados durante a visita às unidades. A maioria dos procedimentos está relacionada às orientações quanto às boas práticas no preparo das refeições e questões que levem em conta os aspectos microbiológicos, de higiene do manipulador, do ambiente e dos utensílios.

Um outro roteiro importante e que é realizado a cada semestre pelo supervisor é o de infraestrutura. Nesta checagem são observadas questões mais pontuais, como a limpeza da caixa d’agua, e ainda são estabelecidas, junto com a direção, um conjunto de melhorias que irão contribuir para a qualidade do ambiente de manipulação e conservação dos alimentos.

Na Umei Sagrada Família, por exemplo, a partir de um pedido que foi pactuado com a direção da escola, já foram alcançadas diversas metas, como a instalação de telas anti-insetos nas janelas, a colocação de dispensador de sabão líquido e porta-papel na parede e barreiras físicas na parte inferior das portas. “São melhorias pontuais que, no conjunto, otimizam as boas práticas para a segurança alimentar e nutricional”, explica Cláudia.

Serviço premiado

A supervisão alimentar é um dos serviços mais consolidados do Programa de Alimentação Escolar município. Criado em 1974, iniciou-se nas escolas e depois se expandiu para toda a rede conveniada. Detentor de várias premiações ao longo dos anos, o serviço ajudou a trazer para Belo Horizonte, por duas vezes, o título de “Gestor Eficiente da Merenda Escolar”, concedido pelo Governo Federal.

Uma das únicas cidades brasileiras onde a gestão da alimentação escolar é realizada no âmbito da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional, Belo Horizonte se destaca pela qualidade e abrangência do serviço que disponibiliza. “Em 99% das cidades brasileiras a gestão da alimentação escolar é feita pela Secretaria de Educação. Aqui, temos a tranquilidade de ter este serviço amparado, com o suporte e a expertise de nutricionistas, especialistas e técnicos de nutrição da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania (SMASAC), afirma Aline Soleane, referência técnica da Supervisão Alimentar.

Hoje, ao todo, 653 unidades municipais e conveniadas recebem gêneros alimentícios enviados pela SMASAC, além de todas as ações de orientação, supervisão, formação e educação alimentar e nutricional. São escolas municipais, creches, Umeis, Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), abrigos e outras unidades de acolhimento institucional, que juntos ofertam cerca de 380 mil refeições/dia.

Via Prefeitura de Belo Horizonte