Ir para conteúdo

Arujá disponibiliza botões de pânico para as escolas por meio de aplicativo

Serviço faz parte de aplicativo que já atendia aos moradores da cidade, como mulheres com medidas protetivas.

panico

OUÇA O ÁUDIO

Arujá (SP) adotou uma ferramenta para dar mais segurança aos estudantes: foram disponibilizados botões de pânico nas escolas por meio de um aplicativo. Medida foi adotada meses depois da tragédia na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, em março deste ano, que terminou com dez mortos.

O serviço faz parte do aplicativo 153, da Guarda Civil Municipal, que já atendia aos moradores, como as mulheres vítimas da violência. O botão de pânico deve agilizar o atendimento de ocorrências.

O socorro está ao alcance da diretora da Escola Municipal Paulo Freire, Dagmar Veronez, em apenas três cliques.

A Guarda Municipal chega em poucos minutos. “O dispositivo é prático. A Guarda realmente vem em tempo recorde e traz benefício, pois guardamos as crianças na escola.”

A unidade, que atende a 650 alunos com idades entre 5 anos e 10 anos de idade, é toda monitorada. A escola já viveu momentos de pânico há cerca de dois anos.

“Ficamos em pânico e fechamos as crianças lá em cima. Isso por causa de um pai que estava em um processo de separação da esposa. Ela trabalhava aqui como professora e o filho deles estudava na escola. Ele ligou e disse que viria na escola e mataria todo mundo. Aí trancamos tudo e chamamos a polícia. Mas nada aconteceu. Se tivesse o aplicativo o pedido de socorro seria mais rápido”, explica a diretora.

A nova tecnologia diminui o tempo de atendimento. O aplicativo é conectado com a base da Guarda Municipal onde funciona a Central Integrada de Monitoramento.

Nos monitores é possível ver as imagens dos prédios públicos e de algumas ruas da cidade. Quando o botão do pânico é acionado uma sirene toca.

“Entra na central e realiza o despacho da viatura. A que estiver mais próxima do local atende à solicitação do botão do pânico”, explica o guarda municipal Ronaldo Pereira.

O botão de pânico nas escolas e prédios públicos ainda é novidade, mas as mulheres com medidas protetivas já têm esse auxílio desde dezembro do ano passado, quando o aplicativo foi disponibilizado para qualquer morador do município.

“Começamos com as medidas protetivas da Lei Maria da Penha e atendemos mais de 750 ocorrências. E agora estendemos para as escolas, para ter agilidade no atendimento”, afirma o secretário municipal de Segurança, Roberto Vissechi.

Atualmente, 380 moradores de Arujá já baixaram o aplicativo. De dezembro até setembro foram 796 chamadas de ocorrências.

Os moradores de Arujá podem baixar o aplicativo 153. É preciso preencher um cadastro com os dados e depois cadastrar o número de telefone e pedir o código de validação.

Com o aplicativo é possível fazer contato com a GCM, como reclamações e sugestões. No entanto, os botões pânico e Maria da Penha são de uso restrito.

O aplicativo está disponível para Android e IOS.

Autor: Mirielly de Castro e Carolina Cardoso, Diário TV 1
Fonte: G1

COMPARTILHE

Rede Cidade Digital

Rua Marechal Deodoro 252 - Centro

CEP: 80.010-010

Telefone: (41)3015-6812

caracteres restantes