Ir para conteúdo

Implantação de aplicativo para informar dias de recolhimento de lixo agora é lei em Maringá

Lei prevê que o aplicativo informe os dias de coleta de orgânicos e que poderá ter outras funcionalidades

(Foto: Prefeitura Municipal de Maringá)

OUÇA O ÁUDIO

A quantidade de materiais recicláveis coletados em Maringá mais que dobrou em um ano e pode crescer ainda mais, a medida que iniciativas que visem à otimização dos serviços e conscientização da população sejam implantadas. A lei que prevê a criação de um aplicativo para smartphone informando os dias de coleta normal, por exemplo, foi publicada na segunda-feira (3/9) e deve ser regulamentada em 60 dias.

A lei estabelece que o aplicativo informe os dias de coleta de orgânicos, mas diz que “deverá ser atualizado periodicamente e poderá incluir outras funcionalidades referentes à prestação do serviço de coleta de lixo”. Esse artigo da lei elaborada pelos vereadores Mário Verri (PT), Alex Chaves (PHS) e Flávio Mantovani (PPS) cria, portanto, a oportunidade de agregar a coleta seletiva no aplicativo.

Com a privatização dos serviços de coleta seletiva, o número de caminhões passou de 5 para 15, com 45 coletores. Com isso, a média diária de 12 toneladas de recicláveis encaminhadas à cooperativas em julho de 2017, no mesmo mês deste ano saltou para 26 toneladas e foi a maior de 2018. A soma do que foi recolhido no mês supera as de julho dos três últimos anos: 311,73 t (2017), 293,24 t (2016) e 217 t (2015).

A meta da prefeitura de chegar a 780 toneladas mensais ainda está longe de ser alcançada, mas o número de trabalhadores nas cooperativas também já aumentou: de 80 em 2017 foi para 150 este ano. Para fomentar a geração de renda com os recicláveis, a assessoria de imprensa da prefeitura informou que a Administração disponibiliza barracões para seis cooperativas, entre os quais, dois barracões para o projeto da Central de Valorização, que recebe embalagens plásticas, que passam por um tratamento químico antes de serem trituradas e transformadas em flakes.

“A comercialização do material garante até três vezes mais do que se fosse vendido para atravessadores. Despesas com água e luz dos barracões são pagas pelo município”, informou. Com o objetivo de criar ações educativas que sensibilizam a comunidade para a separação de resíduos, foi criada uma comissão com pessoal das secretarias de Serviços Públicos, Meio Ambiente, Educação e Saúde para propor projetos de conscientização.

A secretaria de Serviços Públicos também disponibiliza à comunidade sacos plásticos biodegradáveis para o acondicionamento de materiais recicláveis. Os sacos são entregues mensalmente para cada morador durante a coleta seletiva. A comunidade pode separar os recicláveis também em outros sacos, mas deve acondicioná-los em lixeiras das ruas apenas nos dias em que a coleta seletiva passa pelo bairro.

A coleta seletiva é realizada de segunda a sexta, entre às 7h30 e 16h30, e aos sábados das 7h30 às 12 horas. Podem ser destinados papel, papelão, plástico, metal, vidro e isopor. Não devem ir para a coleta pilhas e baterias que precisam ser entregues aos revendedores. Lâmpadas fluorescentes podem ser destinadas em pontos de coleta.


Fonte: Maringá Post

COMPARTILHE

Rede Cidade Digital

Rua Marechal Deodoro 252 - Centro

CEP: 80.010-010

Telefone: (41)3015-6812

caracteres restantes